PT|

EN|

FR|

IT|

RU|

ES

Marca :: ABPM

Governo designa novos membros para o CT-Mineral

Publicada no dia 09 de Agosto de 2021

Governo designa novos membros para o CT-Mineral

Expectativa dos novos membros do CT- Mineral é a liberação de recursos para financiar projetos de inovação no setor mineral brasileiro

O Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação (MCTIC) publicou, nesta sexta-feira (6/8), portaria designando novos membros para compor o Comitê Gestor do Fundo Setorial Mineral (CT - MINERAL).

Na composição do CT-Mineral. o gerente executivo da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral e Mineração (ABPM), Miguel Antônio Cedraz Nery, será o representante do setor produtivo, indicado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Lilia Mascarenhas Sant'Agostino representará o Ministério de Minas e Energia (MME) no CT- Mineral; TASSO MENDONÇA JÚNIOR, a Agência Nacional de Mineração (ANM); Carlos Khair Barbosa, a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP); Alexandre Garcia Costa da Silva, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); e o Prof. Aroldo Misi representará a comunidade científica, indicado pela Academia Brasileira de Ciências (ABC), para o segundo mandato, até 3 de abril de 2022.

 “Espero que o MCTIC libere os recursos do fundo setorial para que o comitê gestor possa definir a melhor forma de utilizá-los e assim favorecer a elevação das condições de competitividade da mineração brasileira”, comentou Miguel Nery, representante do setor produtivo.

O CT- Mineraltem a missão de promover o desenvolvimento e difusão de tecnologia, pesquisa científica, inovação, capacitação e formação de recursos humanos, para o setor mineral, principalmente para micro, pequenas e médias empresas e estímulo a pesquisa técnico-científica de suporte à exploração mineral. 

Origem dos Recursos: o CT-Mineral foi criado para financiar projetos de pesquisa tecnológica e inovação para o setor mineral. Sua receita vem de 2% da compensação financeira pela exploração de recursos minerais (CFEM), paga pelas empresas do setor mineral detentoras de direitos de lavra.Contudo, há mais de uma década, o governo não libera esses recursos para o CT- Mineral, utilizando essas receitas para financiar outras ações ditas transversais, implementadas pelo próprio Ministério Ciência Tecnologia e Inovação (MCTIC).